top of page

O eclipse solar total de 2024 será visível do espaço?

"Há um envolvimento dos astronautas e eles conseguirão acompanhar."


Notícia

Por Elizabeth Howell

Traduzido por Marco Centurion


A astronauta da NASA, Jasmin Moghbeli, capturou esta imagem do eclipse solar de 14 de outubro de 2023 a partir da Estação Espacial Internacional. (Crédito da imagem: NASA/Jasmin Moghbeli)


Astronautas da NASA e satélites meteorológicos assistirão ao eclipse solar da próxima semana do espaço. Os astronautas da SpaceX Crew-8 na Estação Espacial Internacional (ISS), ao lado de pelo menos uma das duas tripulações russas Soyuz a bordo atualmente, experimentarão um "ponto de vista muito único" quando um eclipse solar total varrer o México, os Estados Unidos e o Canadá neste 8 de abril, disse um gerente sênior da NASA durante uma transmissão ao vivo sobre ciência de eclipses em 26 de março.


"Em vez de olhar para cima para a lua projetando a sombra, eles também serão capazes de ver a sombra correndo pela Terra", disse Pam Melroy, administradora adjunta da NASA e ex-astronauta, na transmissão. "Então, há envolvimento dos astronautas e eles conseguirão acompanhar dessa maneira."


A trajetória atual da ISS sugere que os astronautas terão três chances de assistir ao eclipse, disse a NASA em um comunicado subsequente: eles verão a sombra projetada por um eclipse parcial acima do Oceano Pacífico, um eclipse parcial acima da Califórnia e Idaho, e talvez a totalidade sobre Maine e New Brunswick às 16h30 horário de Brasília (19h30 GMT). Os satélites também terão uma boa visão do evento único, disse a agência. Eclipses solares totais ocorrem quando a lua bloqueia completamente o sol da perspectiva da Terra. Felizmente, você não precisa estar no espaço para ver o evento. Desde que você esteja na localização geográfica certa em nosso planeta e os céus estejam limpos, você pode ver o evento altamente antecipado.


Os astronautas da ISS não serão os únicos a assistir ao eclipse da órbita. Dois satélites da série Geostationary Operational Environmental Satellites (GOES), que são operados em conjunto pela NASA e pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), usarão imagens ultravioleta para observar o sol, disseram autoridades na transmissão de 26 de março. As imagens do GOES-16 e do GOES-18 capturarão o disco da lua passando na frente do sol, enquanto as imagens da linha de base avançadas nos satélites rastrearão a sombra da lua.

Dois outros satélites estão programados para serem lançados ao espaço após o eclipse para ainda mais observações solares: o GOES-U da NOAA voará não antes de 25 de junho deste ano para examinar a coroa, ou atmosfera externa do sol. Além disso, o Space Weather Follow On L1 (SWFO-L1) da NOAA voará a mais de um milhão de quilômetros da Terra em 2025 até o Ponto de Lagrange 1, um ponto gravitacionalmente estável no espaço. Lá, o satélite examinará o clima espacial, ou o efeito que a atividade solar tem em nosso planeta.



Uma imagem do satélite NOAA-NASA GOES-16 mostra uma imagem colorida composta da Terra em 15 de janeiro de 2017. (Crédito da imagem: NOAA/NASA)


Os astronautas da Expedição 71 na ISS serão testemunhas do evento raro no espaço. Esse grupo inclui a Crew-8 e os astronautas de longa duração programados para voltar para casa neste outono no Soyuz MS-25. (Uma tripulação Soyuz de curta duração está no espaço agora, mas espera-se que retorne antes do dia do eclipse.)


Os astronautas a bordo da ISS são bem treinados para tirar fotos de eventos dinâmicos, mas o desafio é a órbita deles, disse o astronauta da NASA Michael Barratt da Crew-8 à Space.com em 25 de janeiro durante uma entrevista telefônica pré-lançamento do Centro Espacial Johnson da NASA. Como a ISS precisa impulsionar sua órbita periodicamente para evitar cair de volta na atmosfera da Terra e pode precisar de um desvio de última hora para evitar detritos espaciais, os astronautas não terão sua localização exata até perto de 8 de abril, disse ele.


"De vez em quando, precisamos ajustar a órbita de nossa estação para evitar colidir com coisas... Quanto mais nos aproximarmos [de abril], mais poderemos aprimorar nossa abordagem. Saberemos qual será nosso ângulo de visão."


O colunista de observação do céu do Space.com, Joe Rao, obteve esta visão única do eclipse solar total de 21 de agosto de 2017, a bordo de um voo charter especial da Alaska Airlines. (Crédito da imagem: Joe Rao/Space.com)


Barratt apontou uma vantagem para as observações da ISS: em comparação com o último eclipse solar total que varreu os EUA em 2017, a tecnologia das câmeras melhorou. Ele não viu esse eclipse do espaço, mas teve um ponto de vista único a bordo de um voo charter da Alaska Airlines observando-o a 40.000 pés (12.200 metros).


"A sombra estava apenas acelerando, avançando em direção ao continente. Foi realmente incrível para mim", lembrou ele do eclipse de 2017 na entrevista ao Space.com.


A ISS é co-gerenciada pela NASA e pela Roscosmos, a agência espacial federal russa. Alexander Grebenkin, especialista em missão da Expedição 71 e cosmonauta que faz parte da Crew-8, disse à Space.com em 25 de janeiro que ainda não havia recebido detalhes sobre as observações do eclipse.


"Eu realmente não me preparei especificamente para a observação", disse Grebenkin, falando em russo através de um intérprete inglês. "Eu sei que isso vai acontecer, e estou planejando fazer o meu melhor para tirar fotos e também observar o evento em si."


Se você busca observar o eclipse solar aqui da Terra, nós o cobriremos sobre tudo!


Artigo encontrado em space.com (originalmente publicado em 02/04/2024)

Comentários


bottom of page