• Rodrigo Raffa

Clube de Astronomia de Itapetininga divulga fenômenos astronômicos observáveis a olho nu

Em tempos de quarentena, o Clube de Astronomia Centauri de Itapetininga avisa seus seguidores quando será possível visualizar planetas, satélites, conjunções e até chuva de meteoros dentro de suas próprias casas.

Desde o mês de março, o Clube de Astronomia Centauri de Itapetininga vem intensificando as suas atividades virtuais, já que os encontros presenciais não são mais possíveis devido à crise provocada pelo novo coronavírus.

Através de suas redes sociais, o Clube avisa, com antecedência, os fenômenos astronômicos visíveis a olho nu. Tais fenômenos não precisam do auxílio de nenhum aparelho ou instrumento especial, mas quem tiver um telescópio apreciará o fenômeno com maiores detalhes.

As novas medidas que buscam a contenção da propagação da COVID-19 fizeram com que muitas pessoas passassem mais tempo em casa. Com a extensão da quarentena e do isolamento social, uma das atividades possíveis de serem feitas em casa é a observação do céu.

Dentre as possibilidades de observação do próprio quintal de casa, sem o auxílio de um telescópio ou binóculos, estão as conjunções planetárias, que acontecem quando dois ou mais planetas se encontram no mesmo campo de visão do observador. Durante todo o Inverno poderemos apreciar os gigantes gasosos Júpiter e Saturno em posições próximas ao registro do Clube Centauri feita no começo de junho.


Figura 1 Os planetas Júpiter e Saturno visíveis a olho nu, registrados de Itapetininga com uma câmera fotográfica comum. Autoria de Rodrigo Raffa (Clube Centauri)

Outro fenômeno bastante comum é a passagem de satélites artificiais como a Estação Espacial Internacional, um satélite tripulado que é um verdadeiro laboratório no espaço, responsável por auxiliar cientistas do mundo inteiro com pesquisas em condições não encontradas na Terra como a microgravidade e o alto índice de radiação cósmica.



Figura 2 Registro da Estação Espacial Internacional, o satélite foi avistado a olho nu em Itapetininga/SP e pode ser registrada com uma câmera fotográfica comum. O risco formado, diferenciando-a das estrelas ao fundo, mostra sua alta velocidade em órbita da Terra. Autoria de Rodrigo Raffa (Clube Centauri)

Além da Estação Espacial, também é possível ver o “trem de satélites” Starlink, lançados recentemente para prover uma internet ao mundo todo, o famoso Telescópio Espacial Hubble e alguns satélites de comunicação. Para observa-los é necessária uma combinação de fatores que possibilitem a iluminação de sua superfície do satélite refletindo-a para observadores na Terra.

Outra possibilidade de visualização a olho nu são as chuvas de meteoros, que são pequenos pedaços de rocha e poeira espacial que ao queimar na atmosfera produzem um brilho característico riscando o céu noturno. A próxima acontecera no final do mês de julho, na madrugada do dia 28 na Constelação de Aquário.

Para observar esses fenômenos astronômicos, não é preciso equipamentos sofisticados nem grandes telescópios, o olho humano é suficiente para apreciar os encantos da Astronomia.


O Clube de Astronomia, além de avisar quando os eventos acontecem, explica o fenômeno – justificando suas causas, consequências e o motivo da sua previsibilidade, desmistificando paranormalidades.


Para não perder nenhum evento astronômico basta seguir o Clube de Astronomia em suas redes sociais.

https://www.facebook.com/clubecentauri/

https://www.instagram.com/clubecentauri/


0 visualização

CONTATO

© 2018 Clube Centauri - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Izabela Almeida.

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone Instagram